sexta-feira, 4 de maio de 2012

Reencarnação: Planejamento Reencarnatório

No nosso último artigo, falamos a respeito do Esquecimento do Passado, e como vocês devem ter notado, na estorieta que contei, falei de um pequeno planejamento encarnatório onde o personagem escolhia suas provas junto com seus mentores para que melhor pudesse aproveitar sua próxima encarnação. Este é um assunto que muita gente não sabe, especialmente os que não são Espíritas, ou os iniciados na Doutrina Espírita. Falaremos a seguir um pouco a respeito desse tema, de grande interesse.


Antes de iniciarmos qualquer exposição a respeito do tema, tocarei, mais uma vez, em um tópico que já falei no último artigo, dessa vez mais didático, para que o entendimento do tema em questão se torne mais fácil.


A Doutrina Espírita nos ensina que somos Espíritos, criados simples e ignorantes. Evoluímos paulatinamente, de acordo com as escolhas que fazemos, sejam boas ou más, onde estas são alvos de expiações que somos compelidos a passar para que possamos acertar o alvo. Deus nos criou não em corpo, mas em Espírito, sendo nossa morada verdadeira a vida Espiritual, não a material. A Providência Divina nos outorga a encarnação nos diversos mundos habitados com o objetivo de nos colocar à prova, de maneira que possamos na matéria, passar pelos desafios que colocam à prova nossas virtudes, ou ainda, permite-nos a encarnação com o objetivo de recuperar algum "débito" que tenhamos cometido no passado em outras vidas, para que possamos limpar nosso corpo espiritual (perispírito) das máculas que nos impede progredir para esferas mais sublimes. Dia chegará em que não haveremos de encarnar mais, em qualquer mundo, seja por provas, seja por expiações (talvez por missão), e viveremos a Vida Maior, plena, sublime, que é a vida espiritual. Por isso digo, que essa vida que vivemos na terra é apenas um sonho, que dentro em pouco, acordaremos no plano espiritual.


Feita essa breve explicação, poderemos já nos aprofundar um tanto mais na questão do planejamento das reencarnações. Este tema proporcionará a explicação de questionamentos para  perguntas que aparentemente, à primeira vista, não fazem muito sentido, como por exemplo as do tipo: "Por que eu nasci nesta família, neste país, com essas condições sociais e/ou financeiras e não em outras?". Você já se fez essa pergunta, não é?

O planejamento de uma reencarnação pode-se dizer que é uma benção divina na nossa vida. Esse planejamento, na situação que nos encontramos hoje, sempre é acompanhada por alguns amigos espirituais com mais capacidade para nos orientar. Sejam guias espirituais (anjos guardiães), mentores e/ou protetores.  Estes Espíritos, preocupando-se com a nossa evolução, e desejando o nosso sucesso, com a experiência que dispõem, ajudam-nos a escolher o melhor gênero de provas que se enquadra dentro das nossas necessidades evolutivas. Colocamos nossas idéias, sim. Podemos desejar este ou aquele gênero de provas, com o objetivo de mais rápido alcançar um objetivo, porém, às vezes nossos desejos não são atendidos, vez por outra que podemos estar obnubilados e não prever um futuro que os nossos guias poderão prever de maneira mais precisa, e interferem de maneira a atenuar ou agravar alguma condição.

Neste tipo de planejamento, muitas coisas nós escolhemos, com a orientação e aprovação dos nossos mentores espirituais. Uma análise é feita das nossas últimas encarnações, notamos o que de positivo temos e o que temos de negativo que precisamos transformar em positivo. Verificamos os Espíritos amigos que comporão nosso círculo familiar, de amizade, social e começamos a fazer as escolhas. Começamos então a traçar o nosso plano, conforme nossa necessidade (não nosso desejo). Escolhemos os pais, a família, a condição social, o lugar de nascimento, a profissão possível, o(a) cônjuge, filhos, estrutura física, mental, se será médium ou não, etc. Tudo conforme a nossa necessidade. Notadamente, nosso planejamento não é único no universo, ele deve atender uma série de requisitos, como por exemplo, estar em sincronia com aqueles planejamentos de Espíritos que farão parte do nosso convívio - por isso podemos dizer que está tudo conectado. Vale ressaltar que menores detalhes da nossa vida enquanto encarnado não entram no planejamento. Todos os acontecimentos pequenos da vida, são frutos do nosso livre-arbítrio e, como dizem os Espíritos da Codificação, força das coisas. Somente os acontecimentos mais marcantes que estão no nosso planejamento.

Existem casos, em que o Espírito reencarnante não tem condições psico-motoras de escolher suas provas. Logo sua participação no planejamento é nula, toda a responsabilidade fica na mão dos guias e mentores espirituais. Você pode se perguntar, que casos seriam esses? Podemos citar, por exemplo, casos de Espíritos suicidas reincidentes, que não têm condição de escolher suas provas, uma vez que seus objetivos são sempre a fuga.

Podemos nos perguntar agora: "Uma vez determinado esse planejamento, nada mais poderá mudá-lo?". E a resposta é bem simples. É um planejamento, não é uma determinação. Um planejamento sempre estará suscetível a mudanças, como ocorre em qualquer tipo de planejamento. Mudanças podem ocorrer durante nossa existência, sem que por isso tenhamos que passar por "punições". Por vezes, nossas escolhas podem sair um pouco do planejamento e em vez de trabalharmos uma questão X, trataremos uma questão Y, que estaria planejada, talvez, para uma reencarnação seguinte. Mas certo que, teremos, necessariamente que tratar, cedo ou tarde, da questão X também.

Então, para aqueles que gostam de dizer, que não pediram para nascer, não pediram para ser filho dos pais que possuem ou nascerem em determinado lugar, é bom começar a refletir a respeito e perguntarem-se: "pra quê eu nasci nesse contexto?"