quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Acabe com a pena de morte para gays na Uganda

Acabe com a pena de morte para gays na Uganda

Eu acabei de assinar uma petição pedindo o governo da Uganda para retirar uma proposta de lei anti-gay que pode permitir condenar homossexuais a prisão ou pena de morte, e pensei que você gostaria de se juntar a mim - já que só temos mais alguns dias. Leia mais e assine a petição abaixo:


Obrigado!

Caros amigos,

o parlamento da Uganda está se preparando para passar uma nova lei brutal, que punirá gays com sentenças de prisão e até pena de morte. Críticas internacionais levaram o presidente a pedir uma revisão da lei, mas após forte lobby por extremistas, a lei parece estar pronta para votação -- ameaçando gerar perseguição e mortes.

Oposição à lei está crescendo, inclusive da Igreja Anglicana. O ativista de direitos gays na Uganda, Frank Mugisha, diz que "essa lei nos colocará em grande perigo. Por favor, assine a petição e diga a outros para se juntarem a nós. Caso haja uma grande resposta global, nosso governo verá que a Uganda será isolada no cenário internacional, e não passará a lei".

É esperado que uma decisão seja tomada nos próximos dias, e só uma onda de pressão mundial será suficiente para salvar Frank e muitos outros. Vamos gerar uma enorme petição que acabe com a lei que propões pena de morte para gays -- clique aqui para agir, e encaminhe esse email:

Essa petição será entregue essa semana ao presidente Museveni, membros do comitê de revisão, embaixadas da Uganda ao redor do mundo e a governos doadores. A lei propões prisão perpétua para qualquer um acusado de ter uma relação com alguém do mesmo sexo, e pena de morte para quem cometer esse "crime" mais de uma vez.

ONGs que trabalham para impedir maior contaminação por HIV podem ser condenadas a até 7 anos de prisão por "promover homossexualidade". Outras pessoas podem ser condenadas a até 3 anos de prisão por deixarem de avisar as autoridades da existência de atividades homossexuais dentro de 24 horas!

Quem apoia o projeto de lei diz defender a cultura nacional, mas a maior oposição vem de dentro do próprio país. O Reverendo Canon Gideon Byamugisha é um dos muitos que nos escreveram - ele disse que essa lei "está violando a nossa cultura, tradição e valores religiosos que não apoiam intolerância, injustiça, ódio e violência. Nós precisamos de leis para proteger as pessoas, não para perseguí-las, humilhá-las, ridicularizá-las e matá-las em massa." Ao rejeitar essa perigosa lei e apoiar a oposição nós podemos ajudar a criar um precedente crucial. Vamos ajudar a criar um apoio em massa aos defensores de direitos humanos na Uganda, e salvar a vida de muitos ao impedir que essa lei passe -- assine agora e avisa seus amigos e familiares:

Com esperança e determinação,
Alice, Ricken, Ben, Paul, Benjamin, Pascal, Raluca, Graziela e toda a equipe Avaaz

FONTES:
Carta Africana pedindo que o presidente da Uganda acabe com o projeto de lei anti-homossexual:
Líder de Igreja na Uganda rotula lei anti-gay de "genocídio":

Human Rights Impact Assessment of Uganda’s Anti-homosexuality Bill By Sylvia Tamale, The Dean of Law at Uganda’s Makerere University: