segunda-feira, 20 de abril de 2009

O Princípio da Dor

Algumas vezes nos deparamos em situações que não sabemos explicar a causa das nossas dores. Tudo parece sem sentido, sem uma causa determinada para passarmos por uma situação que nos traga tanto sofrimento. A vida, portanto, na Terra, não será livre dessas dores, não será livre de sofrimento, claro, de acordo com a sabedoria mais ou menos elevada que nós, filhos da Criação Divina, utilizarmos para manipulá-la com primor.

Tudo na vida vem através do progresso. O progresso que nos tirou da era das cavernas, da era em que nos comunicávamos com uma linguagem rústica, com uma articulação pobre e quase sem significados para a era em que o homem já pôde transmitir os seus pensamentos através da palavra. Este mesmo progresso nos tirou da época em que a barbárie tomava conta do coração dos homens para o tempo onde nós já temos o senso de justiça e estamos cansados do mal. Em se tratando de progresso tecnológico e intelectual, é irrelevante nos delongarmos aqui.

Não obstante, todo o progresso vem através da mudança. A mudança que nos tira da zona de conforto e nos faz modificar atitudes, hábitos e pensamentos. Sendo que, modificar tais características não é simples e tampouco indolor. A mudança nos dá medo, nos trás dificuldades e muita dor, principalmente aquelas que nos toca o íntimo. Portanto, a dor neste caso é uma grande companheira que nos ensina, traz-nos um pequeno “sofrimento” e depois vai embora, pois após o nosso aprendizado e o estabelecimento dos novos hábitos, ela não será mais necessária.

Contudo, há também aqueles que não se comprazem da mudança. Preferem a zona de conforto, não querem ter o trabalho de modificarem-se, de modificarem as atitudes, hábitos, costumes. Preferem ficar para trás, porém não terem que sofrer a dor da mudança, dor esta Divina que nos empurra em direção ao Alto. Pobres criaturas! Sempre são arrastados pelo progresso, sofrendo com dores impostas e, ainda não compreendendo a necessidade do progresso, fixam-se no pretérito, fazendo da dor um sofrimento, trazendo sérias conseqüências para a sua formação moral e intelectual.

Sem mencionar as dores provenientes dos resgates e planejamentos efetuados no plano espiritual das vidas sucessivas, podemos entender parte do problema que aflige a humanidade, a dor por inanição. Por não querer acompanhar o progresso da humanidade, por não quererem fazer parte de uma nova humanidade. Humanidade esta que habitará a terra prometida e fará deste planeta um mundo melhor de se viver.

Artigo Relacionado: