quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Pena de Morte

pena de morte não é a solução

Sob a ótica Espírita (e de muitas outras religiões), ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém. A vida foi dada por Deus e somente Ele pode interrompê-la no momento de Sua vontade de acordo com os desígnios que o Criador tem para todos nós.

O mundo passou por muitas transformações. Muitas mudanças erradicaram da nossa vida os maus hábitos dos nossos antepassados, porém outros, embora em pequena proporção, perduram na sociedade planetária, dentre elas a pena de morte.

Além das conseqüências trágicas sociais que a pena de morte pode trazer, as conseqüências espirituais são muito piores, independente se o réu é ou não de fato culpado pelo crime cometido.

Sabendo-se que a vida não cessa com a falência dos órgãos do corpo humano, crer que o indivíduo estará pagando pelos seus crimes simplesmente matando-o é uma mera inocência daqueles que ignoram a verdadeira vida.

Quando alguém faz mal a uma pessoa que não tem o dom de perdoar, normalmente esta não poupará forças para fazer o ofensor sofrer tudo o que lhe deve. Naturalmente, pelo fato dos Espíritos não serem nada além de nós mesmos despidos da vestimenta carnal, os réus dos tribunais terrestres condenados à pena de morte serão perseguidores incansáveis daqueles que contribuíram para a morte prematura. Daí se tem os quadros obsessivos que muitas pessoas ignoram a verdadeira causa, atribuindo as situações e até sintomas de saúde a causas incorretas, ignorando que a morte extinguiu a existência do Espírito.

Além dos problemas obsessivos, vale ressaltar, que assim como a lei física terrestre que diz que para toda ação existe uma reação de mesma força na direção contrária, também para o regimento da vida universal, existe a Lei de Causa e Efeito que diz que para todo efeito existe uma causa. Sendo a causa das obsessões os verdugos que foram expurgados da existência terrestre através da pena de morte no nosso caso em questão, também a causa de muitas mortes e sofrimentos que pessoas passam na maioria das vezes ignorando a causa, são conseqüências de ações vertidas contra os semelhantes fora das Leis Naturais, ou seja, infringindo-a. Por que quem pela espada fere, pela espada será ferido, já disse Jesus.

E qual seria então a solução para este problema?

A educação material e espiritual (esta se possível) da raça humana. Aprender a educar os homens prematuramente, mostrando as conseqüências de seus atos, fortalecendo-lhes a moral e tornando-os homens de bem voltados para o trabalho e ensinando-lhes pessoas de bem para que vivam em sociedade, norteados pelos ensinamentos do Evangelho – ou pelos ensinamentos que a este se assemelham.

Como tudo é fruto do trabalho e o resultado do trabalho vem com o tempo, não podemos desanimar de trazer para dentro de nós a vontade inquebrantável de tornarmos pessoas melhores, mudando a nós mesmos antes de querermos mudar o mundo. Pois, quando defendemos e lutamos a favor de algo que está entranhado em nosso ser, será muito mais prazeroso e mais convincente do que lutar por algo que você simplesmente conhece ou ouviu falar.

Considerando que somos focos de luz, naturalmente os fótons que de nós são emanados, penetrarão na mais profunda penumbra da humanidade fazendo-nos, a cada dia, enxergarmos que todos nós somos irmãos e trilharemos o mesmo percurso em direção ao Pai.

Existe uma influência mútua entre os seres, equivalente à que ocorre entre os astros.