segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Lei de Causa e Efeito II

De acordo com o que vimos no último artigo, temos plenas condições de discorrer sobre o assunto aplicado à nossa vida.

Para tal, precisamos alinhar um conhecimento que, mesmo que você não creia nela, aceite-o como verdade, pelo menos até o final do artigo. O tema é a Reencarnação.

Resumidamente, a reencarnação consiste em dar um corpo ao espírito para que este, através daquele, possa interagir com o mundo material que vibra numa freqüência menor que a do mundo espiritual. A reencarnação não é definida ao léu, é definida de acordo com os méritos ou deméritos de cada um, seguindo um plano de existência (encarnada) elaborado antes da encarnação.

Sabendo disso, agora podemos discorrer sobre assuntos que dizem mais respeito à Lei de Causa e Efeito propriamente dita.

Como vimos, para toda ação existe uma reação, bem como para todo efeito uma causa. A partir daí, podemos concluir que não há mal que fique impune e nem bem que não seja recompensado. Muitas das vezes encontramos situações na vida em que deparamos com pessoas que levam uma vida profana, cheia de abusos e estas não têm qualquer “punição” por isso, saem ilesas, são saudáveis, possuem uma vida materialmente estabilizada. Por outro lado, vemos também pessoas extremamente boas que vivem uma vida digna de pena. Conturbada, cheia de problemas materiais, familiares. De fato não temos condições de entender isso considerando uma única existência.

Todos os Espíritos aqui encarnados que não seguem o plano de existência traçado ainda no plano espiritual, têm um estado de vibração baixo, onde é obsediado por entidades que vibram na mesma freqüência, fazendo com que na desencarnação as suas companhias, suas habitações no além túmulo sejam condizentes com a faixa vibratória.

Exatamente o contrário se faz para aqueles que procuraram seguirem suas vidas no planejamento pré-encarnatório, vivendo com base nas Leis Morais e Evangélicas. Por mais difícil que a vida destes sejam, ao desencarnarem, sempre serão recompensados de uma recompensa que a traça não come e nem a ferrugem corrói.

Após isso, podemos constatar a influência da Lei de Causa e Efeito nas encarnações futuras dos indivíduos listados acima. Aquele que andou na desordem, supondo que tenha sido um péssimo pai, será filho de um péssimo pai. Se foi um péssimo patrão, humilhando seus empregados, estará agora na condição de empregado humilhado. Porque não há mal que fique impune. Encarnações de pessoas com idiotia, problemas mentais, deficientes. Pensa você que isso tudo é obra do acaso? Seria Deus injusto em dar a você saúde física e mental e para o teu irmão não? Pense bem...

Para o outro caso, é algo diferente. As condições de vida já são muito melhores, não no sentido financeiro ou material, mas no sentido espiritual. Vemos vários ícones que, às vezes até denominados santos, tinham uma vida materialmente pobre, mas cheia de luz, alegria, paz de espírito. Claro, isso porque certamente era o plano para a vida dele. Se tivesse que ser rico, seria rico e com a mesma paz. Existem ainda os casos que os bons, que se depuraram totalmente aqui na Terra, já nem precisam voltar para cá. Porque seu estado vibratório está tão elevado, que uma encarnação aqui (se não for missionária) não acrescentaria em nada. Daí então que imigram para outros orbes, mais elevados, que encarnam junto daqueles que já condizem com sua faixa vibratória. Isso porque na casa de nosso Pai há várias moradas.

Agora meu amigo leitor, você tem uma pequena gama de informações para pensar a respeito da Lei de Causa e Efeito. Pensar sobre a Reencarnação, sobre os problemas que o mundo vive e muitos não sabem o porquê. Os problemas que aparentemente não tem razão de ser. Espero ter depositado o germe que brota uma fagulha de luz no imo do seu coração para dissipar estas questões insolúveis que vêm te trazendo uma certa perturbação.

Muita Paz