sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

A Lei do Trabalho

O trabalho é uma Lei da Natureza. Tudo na Natureza trabalha. As aves do céu, as flores do campo, as folhas das árvores, os frutos, os animais terrestres e os aquáticos. A cada um Deus deu uma forma de lhes manter a vida. Aos animais, em sua inteligência limitada, Deus limitou seu trabalho para que dali tirasse o necessário para a sobrevivência, mas ao homem, animal que Deus dotou com o seu sopro de vida contendo sentidos, razão e intelecto, possibilitando-lhes aprimorar tais atributos no curso de suas existências, Deus impôs o trabalho para o progresso. Vejamos o porquê.

O trabalho é o combustível do progresso

O trabalho é uma necessidade imposta ao homem como meio de progresso e expiação ao mesmo tempo. É expiação, porque através do trabalho, o homem está sujeito ao trabalho para satisfazer suas necessidades. A expiação se dá de acordo com o grau de materialismo que o homem se encontra. Não pense que quando nos livrarmos dos fardos terrestres estaremos livres do trabalho, pelo contrário, estaremos empenhados em outros tipos de trabalho (menos materiais), pois a ociosidade seria um malefício para tudo que existe. Deus não pára, por que nós pararíamos? Em vez disso, quanto mais desprendido da matéria, menos trabalho material se exerce, pois passamos a enxergar tudo de forma diferente (além da matéria) e o trabalho passa a ser mais intelecto-moral do que capitalista-material.

O trabalho também é uma forma de progresso porque o homem cria para si expectativas e necessidades que exigem o trabalho para mantê-las e evoluí-las, consequentemente, essas necessidades são necessidades de muitos, como por exemplo a Internet. Com o trabalho empenhado há algumas décadas, foi possível beneficiar não um grupo restrito, mas toda a Humanidade, materialmente falando! Para isso, quanto maiores suas necessidades, maiores são as obrigações que lhe levem ao trabalho.

A forma com que a nossa sociedade enxerga o trabalho hoje, leva o homem a não querer trabalhar. Entretanto, infelizmente, é uma visão deturpada que devemos erradicar da nossa consciência. O trabalho é toda força empregada em um fim útil. Não é necessário estar diante de um computador cerrado em um escritório obedecendo a ordens de seu empregador e um salário esdrúxulo para estar trabalhando, muito pelo contrário, o trabalho, como dito, é toda forma de ser útil. Quais as formas que você encontra hoje de ser útil para você mesmo? E para os seus familiares, amigos e irmãos? Pense, certamente encontrará milhões de oportunidades de ser útil ao seu próximo, expressando as mais altas lições de caridade.

Talvez possa surgir o questionamento: “A riqueza me isenta do trabalho? Já terei fundos suficientes para viver até o fim da vida sem o trabalho.” – Talvez sim, mas do trabalho material. Se Deus deu a oportunidade de nos tornarmos ricos das coisas materiais, não significa que devamos estagnar a nossa inteligência por causa do montante de dinheiro que existe na nossa conta. Devemos progredir sempre! Se a vida não nos exige mais o trabalho material, o nosso trabalho deverá ser intelecto-moral, como dito anteriormente! Trabalhar para aprimorar e evoluir a nossa consciência e, sempre que possível, a inteligência dos nossos irmãos mais necessitados – isso também é trabalho!

Não obstante, não devemos ter aquela ansiedade desconexa de querer fazer tudo em um único dia. Tudo em excesso é considerado maléfico ao homem, até mesmo o trabalho! Há tempo para todas as coisas, já dizia o Rei Salomão no livro de Eclesiastes. O trabalho deve seguir até o limite das nossas forças. Nossas forças se esvaindo, devemos considerar o repouso. Não se engane pensando que o repouso só serve para repor as energias do corpo, não é só isso! O repouso também serve para que possamos colocar a nossa inteligência livre para quando voltarmos o trabalho, tenhamos novas idéias, conceitos e paradigmas que possam evoluir a forma de trabalhar, como sempre foi feito em todos os tempos até o presente momento.

Honra teu pai e tua mãe se queres prolongar teus dias de vida na Terra.
(Quarto mandamento da lei mosaica)

Falando em forças esvaindo-se, talvez pensemos: “E os que não têm mais forças de trabalhar?”, “E os que não têm ninguém por eles?”. Deus concede ao forte, forças para ajudar o fraco, mas não por aquele que tornou sua vida inútil para viver das custas dos outros, Deus não é injusto, mas para que pudéssemos ser útil aos nossos pais, por exemplo, que chegando à velhice, não possuem mais forças para erguer os braços ao arado, possamos fazer da velhice deles algo confortável e digna, expressando além de gratidão pela vida que nos proporcionaram, os sentimentos de amor que nos ensinou o grande Mestre Jesus. Falando dos que não têm familiares para lhes servirem de arrimo, é necessário que a sociedade cumpra esse papel, afinal, esse é um dos exemplos de caridade que o homem pode realizar para com o seu irmão.

Agora, será que você consegue enxergar o que é o trabalho? Sim?! Então, mãos a obra que a seara do Cristo não espera!


Paz e Luz!

Artigos Relacionados