sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

A Lei de Reprodução


A reprodução é uma lei natural. Devido a essa lei se entranhar na mente humana, temos costumes que são marcos na marcha evolutiva da sociedade, como por exemplo, o casamento monogâmico. Por outro lado, existem costumes que denotam a nossa inferioridade e mostram o quão distantes estamos de uma verdadeira perfeição tanto material quanto espiritual: métodos contraceptivos.

O casamento, uma união entre dois seres de sexo oposto, é uma das formas de notarmos o nosso progresso. O casamento monogâmico se dá através da união e afeição entre dois seres de sexo oposto. Sendo assim, é possível expressar os mais sublimes sentimentos de afeto, amor, carinho, companheirismo, abnegação e caridade. Esses sentimentos sublimes não são possíveis de serem expressos em uma relação poligâmica, visto que o único sentimento que rege esse relacionamento, sentimento muito carnal, diga-se de passagem, é o sexual, desejo puramente humano.

Talvez você possa estar se perguntando: “Mas como pode os métodos contraceptivos se mostrar uma inferioridade? E o controle de natalidade?”. Deus criou o homem e a mulher para reproduzirem e popular a Terra. Por isso, a poligamia em um tempo da humanidade foi uma prática aceitável, pois a terra precisava preencher seus espaços. Vale ressaltar que naquela época também não existiam métodos contraceptivos como temos hoje. Então, chegou um tempo que a humanidade evoluiu e viu que o mais correto era o casamento monogâmico, porém o método contraceptivo foi inventado. Como Deus não permite que nada seja feito em vão, sabendo da inferioridade e necessidade humana pelo sexo, não iria permitir uma superpopulação no globo, atingindo limites que a nossa Terra não pudesse suportar, fazendo assim, de acordo com a nossa inferioridade, um método que pudesse controlar a população do globo. Na medida em que formos evoluindo, nossos desejos mais baixos serão substituídos por desejos mais nobres, fazendo com que certas tecnologias tornem-se totalmente dispensáveis para a nossa vida.

Encadeado ao assunto, podemos citar também o celibato. Celibato, para que não conhece é a opção que uma pessoa faz de não se relacionar sexualmente com ninguém. É uma prática condenável aos olhos de Deus, quando feita por egoísmo. Pois não estará acrescentando nada à Humanidade e enganando a todos com uma falsa imagem. Entretanto, existem os que optam pelo celibato para que possam se focar nas coisas mais sublimes a fim de serem úteis a humanidade, livrando-se de sentimentos baixos que envolvem a sexualidade e equilibrando as vibrações para que o coração e a mente fiquem focados no bem. Como se sabe, todo o sofrimento ou privação voluntária que traga algum benefício para outrem é bem visto aos olhos de Deus.

Na época em que a poligamia e o processo de população da Terra eram mais fortes que hoje, surgiram diversas raças que contribuíram para o avanço da Humanidade. E como tudo deve progredir rumo à perfeição, as raças também evoluíram (embora sejamos inferiores a algumas raças em alguns aspectos, como em espiritualidade comparando-se aos Egípcios, por exemplo). Raças mais evoluídas ocuparam espaço das raças extintas com novas culturas e crenças, ideologias e religiões. Certamente chegaremos a um tempo que seremos extintos e novas raças ocuparão nosso lugar, com novas culturas, línguas, religiões e crenças. Mais evoluídos tanto intelectual quanto moralmente. Esse é o curso natural, até que cheguemos à perfeição, como se sabe, estamos em uma época de transição.

Um traço que mostra a nossa superioridade com relação às raças anteriores é a Ciência. Hoje somos capazes de enxergar as estrelas dos céus e identificá-las de diversas formas, até considerando galáxias com estrelas orbitadas por planetas, e tudo isso sem misticismo. Hoje já não morremos por causa da gripe, já temos cura para muitas doenças que antes eram fatais. Temos computadores capazes de simular o raciocínio humano e tal tecnologia cresce exponencialmente a cada dia. Hoje somos capazes de criarmos alimentos em laboratório, clonarmos vegetais, animais e até humanos. Muitos podem até entrarem em discussões filosóficas ou religiosas com relação a isso. Todos temem o que é novo, isso é uma coisa natural de uma época em transição, assim como ocorreu na Revolução Industrial. Mas uma coisa é fato: o mundo está evoluindo. O homem só enxerga um lado do quadrado e acreditam estar criando tudo isso para benefício próprio ou para de sua pátria, mas Deus não permite nada em vão. Tudo isso, cedo ou tarde, contribuirá para o avanço de toda a Humanidade.

Muita Paz!