sexta-feira, 3 de agosto de 2007

As mudanças...

As grandes mudanças embarcam grandes conflitos. A mudança de paradigma para muitos é difícil entender, compreender e até mesmo aceitar. Grandes ícones da história da humanidade enfrentaram grandes problemas até serem aceitos pela sociedade, até que seus novos modelos de pensamento conduzissem a um fim útil.

A mudança é uma ferramenta que estará sempre presente na vida do ser humano. Desde o seu nascimento até a sua morte. A vida é totalmente feita de mudanças.

Quando nascemos, encontramos um mundo totalmente novo do que conhecemos. O mundo onde não mais nos alimentamos pelos meios simples e preguiçosos de um ventre materno. Aprendemos a fazer as necessidades fisiológicas em um lugar específico. Aprendemos falar, engatinhar, andar...

Quando tornamo-nos mais crescidinhos, aprendemos que a vida é diferente da casa que nós habitamos. Que “a vida lá fora” é feita de trabalho, estudos, vitórias e derrotas. É uma enorme mudança de paradigma, talvez a maior de todas! Damos várias cabeçadas em função delas.

Mudamos o nosso paradigma quando temos a nossa primeira paixão, nosso primeiro beijo, nosso primeiro amor. As coisas sempre mudam em função desses acontecimentos.

Quando nos tornamos adultos, constituímos famílias, novos amigos, novos costumes e novas mudanças. Temos que encarar a vida diferentemente de como encarávamos quando crianças e quando jovens. Já somos responsáveis por nossas vidas e pela vida dos que nos são extremamente caros.

Quando morremos, mais uma mudança surge. Mudamos o nosso conceito do que é a vida, do que é a morte e até do porquê de nossa existência.

Tudo na vida muda. Sendo que na maioria dos casos é mais involuntário do que voluntário. Às vezes a vida nos obriga mudar...

Por que as pessoas se espantam quando fazemos uma mudança voluntária? Quando optamos, por exemplo, em parar de beber, de fumar, mudar de profissão, mudar de religião? As mudanças fazem parte da existência, e é extremamente necessária!

Se há mudança, é porque o tempo é chegado. A mudança só aparece quando estamos preparados para abraçá-la. A mudança é uma forma de evolução (ou involução), tanto material quanto espiritual.

Quando as mudanças não são aceitas, pode ser por duas razões: A primeira é que a pessoa está conformada com aquele meio, com aquela pessoa, com aquela situação e não quer se dar o trabalho de fazer uma mudança em si mesma para se adaptar ao que é novo. A segunda é quando se sentem donas da verdade. Acham que não se deve mudar por ser seu ponto de vista "o correto". Aí sim, vem o conflito...

Neste caso, cabe uma reflexão, uma meditação e na redefinição de seus valores. Mesmo que não se concorde com a mudança, deve-se compreendê-la e aceitá-la. Cada um escolhe o que acha ser melhor para si, cada um tem plena consciência de suas mudanças, do que quer para a sua vida. E o mínimo que podemos fazer é respeitar. Se Deus não nos infringe o livre-arbítrio, por que suas criaturas deveriam?

A mudança é tão certa quanto a morte. E, acredite, você ainda vai mudar muito!

Até a próxima...